Aceito O Casaco




Dia desses um amigo me viu tremendo de frio e me ofereceu um casaco. Mas como explicar-lhe que esse frio é diferente? Não sei se faz mais frio lá fora ou aqui dentro. Como explicar-lhe que esse frio não cessa com casaco de lã? O jeito era encontrar um de pele. Pele humana, desprovida de pudores, medos e e calças. Pele na pele e olho no olho igual a calor. Matemática simples para qualquer hora do dia. Como pedir para meu amigo um coração sinônimo que aquecesse? "- Bom, obrigada, mas esse casaco não acalenta o vendaval da minha alma". Mas acho que não pegaria muito bem. Muito chato a tal da incompatibilidade de alma: enquanto uns querem bons drinks para dançar, eu queria um calor que abraçasse a minha solidão e a puxasse para bailar. Enquanto uns querem um stand up comedy para gargalhar, eu queria um sentimento bom que risse e fizesse bem ao meu ego quase desesperado. Quero alma para viver e coração para aquecer. Se algo se assemelhe aos efeitos do frio, que seja aquela coisa estranhamente gostosa na epiderme: os arrepios. Nada de adeus! Isso faz chover tanto nas nossas estradas, sabe? 
Mas acho que tudo isso é coisa de quem vive para se dar e há muito já me perdoei. Acredito não ser utopia. Acredito que não é só ilusão ou fascinação pelos românticos incuráveis e em extinção. Sou menor e acredito que tudo é questão de bem querer. Sou menor e já tenho passagem pela polícia: andei furtando, à mão encantada, as esperanças do mundo. 
Quero calor que faça derreter tudo aquilo que me fez por um só minuto temer o amor, o mundo, a mim mesma. Muito difícil, uma vez que, num mundo tão glacial, as pessoas preferiram ser a ponta do iceberg... Mais triste ainda é ter que aceitar o casaco pra disfarçar o frio que vem de dentro!

Somos Todos Navegadores



Acho suicida essa história de bater na mesma tecla danificada. Não dá. E quando não dá, a gente vai embora. Dói, é verdade, não mentiria. Mas quando dói pesando, é melhor partir porque se não a dor lá lá frente fica pior. Tudo na vida tem começo, meio e fim. Se amizade tem, imagina tais relacionamentos... E a vida não para, viu? A gente supera. Quem sabe até aprende algo bom. Cresce. Amadurece. E o céu que era cinza, volta a ficar azul, meu caro. Se o outro não é porto, deixa esse navio partir sem impedimentos. Não há no mundo quem antepare o mar ou interdite os ventos que foram feitos para levar embora. Tudo é feito de partidas. É um ciclo, não tem como empatar. Porque, me diz, do que adianta alguém ao seu lado sob chantagens emocionais? Você só pode dar motivos para alguém permanecer. Há indecisão? Não grite, não pressione, não chore, não dê pití. Siga com uma verdade: " Eu quero, mas o outro tem o direito de não me querer". Mas quando as coisas saem do eixo e na balança a indecisão tem mais peso que o bem querer, não se engane. É duro, é duro, muito duro, mas: Mova-se. Vá ser feliz porque isso ninguém vai ser por você. Tem coisas que não valem a pena ficar tentando, insistindo. E lembre-se: Nunca, jamais entregue sua felicidade nas mãos de ninguém. É muita responsabilidade fazer alguém feliz. E as pessoas são falhas. Cheias de erros. Cheias de sentimentos controversos, dúvidas, assim como você. Seja altamente responsável por si mesmo e por suas próprias escolhas. E tenha em mente que nessa vida somos todos navegadores.