Somos Todos Navegadores



Acho suicida essa história de bater na mesma tecla danificada. Não dá. E quando não dá, a gente vai embora. Dói, é verdade, não mentiria. Mas quando dói pesando, é melhor partir porque se não a dor lá lá frente fica pior. Tudo na vida tem começo, meio e fim. Se amizade tem, imagina tais relacionamentos... E a vida não para, viu? A gente supera. Quem sabe até aprende algo bom. Cresce. Amadurece. E o céu que era cinza, volta a ficar azul, meu caro. Se o outro não é porto, deixa esse navio partir sem impedimentos. Não há no mundo quem antepare o mar ou interdite os ventos que foram feitos para levar embora. Tudo é feito de partidas. É um ciclo, não tem como empatar. Porque, me diz, do que adianta alguém ao seu lado sob chantagens emocionais? Você só pode dar motivos para alguém permanecer. Há indecisão? Não grite, não pressione, não chore, não dê pití. Siga com uma verdade: " Eu quero, mas o outro tem o direito de não me querer". Mas quando as coisas saem do eixo e na balança a indecisão tem mais peso que o bem querer, não se engane. É duro, é duro, muito duro, mas: Mova-se. Vá ser feliz porque isso ninguém vai ser por você. Tem coisas que não valem a pena ficar tentando, insistindo. E lembre-se: Nunca, jamais entregue sua felicidade nas mãos de ninguém. É muita responsabilidade fazer alguém feliz. E as pessoas são falhas. Cheias de erros. Cheias de sentimentos controversos, dúvidas, assim como você. Seja altamente responsável por si mesmo e por suas próprias escolhas. E tenha em mente que nessa vida somos todos navegadores. 

COMENTÁRIO(S) PELO FACEBOOK

Postar um comentário