Felicidade É O Prêmio Pra Quem Se Ama







          Nunca consegui entender o porquê as pessoas que vivem abatidas num relacionamento querem tanto insistir em algo que não dá certo, alimentando uma felicidade fingida. 

Aposto que você está dizendo que sou uma idiota e não entendo nada sobre amor, não é? Não importa. Tenho orgulho de dizer que sobre amor não entendo nada mesmo e não tenho o mínimo de interesse em decifrá-lo – a vida já é tão complicada do jeito que é e eu vou correr atrás de mais problemas? Não vou mesmo. Mas eu sei muito bem os limites de um coração e até onde o outro pode avançar – e o sinal verde só quem pode dar somos nós, entende? Eu sei o que pode trazer felicidade, e viver com alguém se achando incapaz de ser feliz sozinha (o) não é felicidade; não saber sorrir sem seu (a) parceiro (a) não é felicidade, isso é utopia; isso pode ser tudo, menos amor, tá?
É impressionante a capacidade que nós, humanos, temos de depender do outro pra tudo. Seja pra ter o almoço na mesa, pra estudar, dormir, comprar e, é claro: Ser feliz. Tenho uma raiva louca de quem acha digno entregar sua própria vida nas mãos de um alguém que nem mesmo conhece as suas próprias necessidades, quem dirá as do outro. Pior ainda é quando esse alguém culpa o parceiro (a) por estar infeliz, por se sentir diminuída (o), por estar de mal com a vida... Pode me xingar, mas eu digo é “bem feito!”. Sua vida é só sua. Sua felicidade tem que depender de você e mais ninguém. Quem tem o poder de dar o rumo certo em sua história é só você. Seu parceiro (a) não está no mundo pra corresponder às suas expectativas e nem para te completar; entenda que você já é completa (o) sozinha (o), que você se basta. Se o outro está contigo é para somar, para suplementar; é porque as coisas fluem sem pressão, sabe? Se o outro fica é pela calmaria do seu abraço e pela sintonia dos beijos. Não faz sentido duas pessoas que vieram de mundos completamente distintos se juntarem para gerar discórdia.
Entenda que ninguém gosta de sentir que é a razão da vida de alguém. Ok, no começo é até fofinho, vai... Mas depois fica chato! É chato ser humano demais, cheio de falhas, de linhas tortas, de pensamentos próprios e ver quem você gosta chorando porque você não pode ter o direito de pisar na bola, não pode errar... Porque é imperdoável você magoar quem te jogou nas costas a obrigação de fazê-lo feliz. Isso não EXISTE!
Pois bem, acho uma covardia sem tamanho essa dependência. Plantar essa semente no jardim do outro nunca dá frutos, j'ouviu? E os que dão, apodrecem rápido. Porque o seu 100% é diferente do 100% do outro – e olha que essa é uma porcentagem que você não adquire nem de si próprio, mas faz questão de atormentar o resto do mundo por isso. Que mania feia de querer contrabandear e manipular os sentimentos alheios o tempo todo!
Na vida e no amor não temos garantias. Muitas vezes o outro vai errar, mas também vai acertar! Às vezes as ausências serão necessárias para abrir seus olhos e te mostrar que felicidade é o prêmio para quem SE AMA. Que amar é um verbo conjugado a dois. E amor não é para quem depende. Amor é para quem entende que só se caminha com as próprias pernas.

Eu Tô É Bem, Meu Bem!



Hoje acordei de bem com meu próprio reflexo, sabe? Mesmo com o cabelo bagunçado, me olhei no espelho e não resisti: Você tá linda! Mesmo com a cara amassada: Você é perfeita! Mesmo sem ainda ter tomado banho, escovado os dentes: Poxa, eu sou louca por você! Mesmo que esse pijama aí não valha nada: Caraca, eu não te abandonaria nunca! Pois é, tirei o dia todinho só pra me vangloriar. Se eu fosse um homem, morreria aos meus pés! Hoje, na minha agenda de desejos, a primeira anotação foi: Serei feliz. Feliz o bastante. Redondamente feliz. Até dizer chega. Até não aguentar! E não é que deu certo?! Sabe aquele FDP que sempre passa e nunca me nota? Foda-se. Sem vaselina! Sabe aquele bom-dia que não era retribuído? Já tá no fundo da bacia sanitária. Sabe aquela música perfeita que me arrancava lágrimas? Hoje não, meu bem. Hoje não pra muita tristeza encubada, hoje não pra dieta e muito menos pra gente mal amada. Sabe aquele estresse que se apoderava quando eu não era escutada? Hã? Cadê? Sumiu! Gorda? Não, tô deliciosa! Até tentei umas notas no violão, resultado: Minha voz é demais! Até me dei o luxo de me auto-presentear. Vê se pode? É hoje que neguinho vem levantando a voz e eu tô só assobiando... É hoje que neguinho me olha da cabeça aos pés e se pergunta: "- O que é que aquela moça tem? - Sei não. Que tu acha disso? - Sei também não, só sei que ela brilha!" E eu vou continuar assobiando, dançando, balançando os cabelos, olhando pro céu e dizendo: Como a vida é linda. Como eu sou linda. Como sou feliz!