A Saudade Também É Uma Forma De Ficar



A saudade também é uma forma de ficar. Os muitos que se vão, sempre deixam algo em seu lugar. Deixam saudade: do futuro, do passado; saudade dos passos dados. A saudade do beijo, do abraço! Do amor, do calor, de corações entrelaçados. Quem vai sempre arruma um jeito de voltar. Voltam nos sonhos, nas lembranças. Voltam nas músicas, nas brisas... Mas sempre voltam. Sempre deixam uma presença trêmula nos pegando pelo braço, nos zelando em sono calmo. Talvez a saudade seja o único elo que nos faça voltar pros braços de alguém, pros pais que moram longe, pro amigo distante. Sentir saudade é coisa boa, viu? Nos faz ansiar por um amor que ameaça ir e nunca vai; arruma as malas, chega à porta, põe os pés fora... Mas sempre volta por saudade. Ausência cura muito amor e ninguém percebe. Amor semi-hibernado é curado quando bate de frente com a saudade ali na esquina. O sinal de alerta é ligado e ele volta a acordar. Nós já somos seres de ausência por esconder sempre, por medo ou precaução, a própria alma. Presença é só aquilo que se quer mostrar pro mundo, não é? As coisas mais bonitas estão escondidas, é verdade. Em loja elegante, a melhor peça não fica na vitrine. Do mesmo jeito somos nós: os sentimentos estão sofrendo de problemas habitacionais crônicos, graças a Deus! A cada dia que passa, vejo que sentimento verdadeiro não se expõe, não se mostra em redes sociais. Tá ali, escondidinho, quase sem brecha pra respirar. Mas fica tão vivo, tão mais intenso, viu? Porque a gente não faz outra coisa senão tentar aliviar as dores das ausências. E quanto mais se tenta limpar as feridas, mais sentimento é trazido pra fazer os curativos. Descobri dentro da minha ausência um dique que me livra do medo de não ser amada! Sejam mais saudade!

COMENTÁRIO(S) PELO FACEBOOK

Postar um comentário